Feira Livre

O dia começou frio, mas o sol tratou de esquentar o clima enquanto os primeiros visitantes iam chegando e se encantando com as barracas cheias de produtos coloridos e saborosos. Com tanta coisa boa para provar, a vontade de levar tudo para casa estava estampada no rosto das pessoas. Para os produtores, mais uma oportunidade de estar perto do consumidor, ouvir suas necessidades, compartilhar seus conhecimentos e suas histórias. E quanta coisa se pode aprender na feira! “Mas o alho é negro mesmo, nasce assim/”, pergunta uma consumidora na barra Alho Negro. “Não”, responde, a atendente, “ ele passa por um processo natural de fermentação e cura para ficar dessa cor e com esse aroma”. E quem queria levar uma paçoca de carne
seca, podia vê-la sendo preparada pelo seu Agostinho em pessoa, e ainda levar um ‘causo’ para casa de brinde. “ Conhece aquela da mulher que queria que o marido fosse fiel?”, começava o seu Agostinho e lá vinha história.

Assim foi a segunda edição da Feira Viva no Parque da água Branca, no dia 12 de agosto. Um dia pra se divertir, comer bem e conhecer histórias da nossa terra.