Um chef cria seus pratos para levar às pessoas a melhor experiência gastronômica, com sabores variados e ricos, investindo em alimentos frescos, naturais, sustentáveis, que tenham características culturais e regionais relevantes.

Essa é a Feira Viva, que diminui distâncias entre produtor rural e consumidor, estreitando relações entre agricultura, pecuária, meio ambiente e gastronomia. Tudo com forte apelo regional, fomentando iniciativas que representam modernas práticas de gestão, levando produtos únicos e de forte identidade cultural aos consumidores. E debates com o público, junto com especialistas e produtores.  

A Feira Viva torna possível esse encontro agregando técnicos, especialistas, estudiosos e cozinheiros num único espaço, num mesmo momento, compartilhando conhecimento, sabores, cultura e economia em uma experiência única.  Vamos conhecer os profissionais que vão encabeçar as atividades da Feira Viva de Inverno territórios Brasil adentro?

 

Rodrigo Oliveira  –  Território Tradição Nordeste

Hoje, um dos destinos mais procurados por criticos internacionais, chefes e amantes da cozinha, o Mocotó, segundo a 50th Best Restaurans in the World, associação que elenca os melhores restaurantes do mundo, não é apenas um restaurante que serve comida brasileira. “É comida brasileira de verdade, onde os convidados podem ter uma experiência única, cozinha superior e coquetéis especiais numa atmosfera de calor e hospitalidade”

Para os daqui, uma ligação entre passado e futuro da comida brasileira, ainda segundo a associação, para estrangeiros um lugar para se conhecer sabores intensos, cores e texturas que revelam a melhor, mais original e sincera gastronomia que o país pode oferecer.

Uma experiência que está a disposição de todos, num restaurante que acolhe a todos os paladares, níveis sociais e culturais, de forma inclusiva e democrática, numa cozinha que, como define Rodrigo Oliveira é feita com a alma, os olhos no mundo e os pés sempre firmados no sertão que o inspira e alimenta todos os dias – “seu chão” como afirma. Sorte dos amantes da grande cozinha, pois, neste lugar se leva a efeito a afirmação de Guimarães Rosa, para quem “o sertão é o mundo”.

Rafa Bocaina – Território Caipira

Rafa cresceu no ambiente rural das fazendas do Vale do Paraíba (interior de SP), entre as Serras da Mantiqueira e da Bocaina – cujo nome tomou emprestado. A região, sua gente, saberes e ingredientes são o esteio de sua cozinha. Após passar por diferentes cozinhas européias como no restaurante Mugaritz e latino americanas, Rafa chefiou cozinhas como Anita e do Sophia Bistrô (2006/2009), e em Goiânia (2010/1011) esteve à frente do restaurante Atacama. Apresentou o programa Chef a Domicílio no Canal Discovery Home&Health por duas temporadas (2010\2011). 

Há quatro anos, Rafa voltou para sua pequena fazenda, no sopé da Serra da Bocaina onde estuda técnicas de charcutaria artesanal. dedicando-se também a criação de porcos a pasto, cultivo de vegetais orgânicos, variedades “caboclas” e elaboração de queijos, pães, conservas e tudo o que envolve o universo da “fermentação natural”. O chef construiu sua casa de forma sustentável e reservou nela um espaço para receber comensais; o Curiango – venda e cozinha, que além de servir pratos elaborados com ingredientes do entorno, tem uma vendinha com produtos da própria fazenda e das propriedades vizinhas.

Eudes Assis  – Território Caiçara

Aos 38 anos, Chef Eudes vem se destacando por defender a valorização dos ingredientes regionais para o fortalecimento da identidade cultural de cada localidade. Foi eleito em 2010 o chef revelação pela revista Prazeres da Mesa e o restaurante Seu Sebastião, o melhor restaurante de frutos do mar pela Veja Comer e Beber Eudes Assis estudou na Cordon Bleu francesa, estagiou em vários restaurantes da Europa e passou cinco anos cozinhando num iate onde conheceu 23 países. Já cozinhou com grandes nomes da gastronomia internacional como Alain Ducasse, Daniel Boulud e Ferran Adria. Este ano Chef Eudes voltou às origens e inaugurou um novo projeto: o Taioba Gastronomia em Camburi.

André Mifano – Território Terra Preta de Índio

André Mifano tem como marcas de sua carreira a autenticidade e a valorização dos produtos, em uma cozinha que é um reflexo claro de sua personalidade marcante. Inicialmente influenciado pela culinária italiana, já que começou sua carreira aos 17 anos na cozinha de Hamilton Mellão, o chef percorreu diversos restaurantes pelo mundo e se formou nao Le Cordon Bleu. Em São Francisco, trabalhou no Azie, e voltou ao Brasil para reforçar seu vínculo com a culinária italiana, no Buttina. À frente de seu último restaurante, também italiano, consagrou-se como um dos mais prestigiados chefs do país, alcançando projeção internacional como palestrante do MAD, mais importante congresso de gastronomia do mundo. Agora, como chef e idealizador do Lilu, André parte para uma nova fase de sua carreira: “Chega de restaurantes fechados, escuros e super formais. Quero resgatar a simplicidade e a alegria de compartilhar a mesa.”

Mario Portella – Território Vales e Veredas

Pós-graduando em Ciência e Tecnologia de Carnes pela CTC (Centro de Tecnologia de Carnes), em Campinas, se define como entusiasta do terroir brasileiro, mesclando receitas mineiras com técnicas internacionais.

Rômulo Morente – Território Campanha Gaúcha

Natural de São Paulo, formado em gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi foi inspirado por um padrinho Uruguaio, sempre apaixonado pelo churrasco e pelo fogo. Tem em seu currículo passagens em restaurantes como Pomodori, jantares com Tassia Magalhães, Salvatore Loi, Luiz Filipe, Rogerio de Betti, Mario Portella e Diego Perez Sosa (equipe de Francis Mallmann). Ministra cursos de 7 fogos e participa de todos grandes eventos de churrasco no Brasil.


Tags:

Edição de Inverno, andré mifano, charcutaria, churrasco, eudes assis, feiraviva, mario portella, rafa bocaina, restaurante mocotó, rodrigo oliveira, rômulo morente
[social_warfare]