Quem não gosta de paçoca?

O doce de amendoim é sucesso em qualquer doceria e tem mesmo gosto de infância. Mas você sabia que paçoca não é só doce?

O termo vem do tupi pa’soka, formado pela junção de paba (terminar) com soka, (socar), numa alusão ao modo como era originalmente feita pelos índios: socando-se a carne e a farinha no pilão. O pilão, por sua vez, é uma ferramenta usada na Mongólia há mais de seis mil anos.

“A paçoca é um dos pratos mais originais do Brasil. Não precisa ser doce, pode ser de carne, frango e até peixe, fritos e depois batidos com temperos diversos”.

Quem explica é o seu Agostinho da Paçoca, que já traz no apelido sua maior especialidade. Doceiro de mão cheia, fazedor de pilão, cozinheiro, aprendeu a arte de fazer doces com a avó e com a mãe em Guaratinguetá, onde mantém viva a tradição da família há mais de 40 anos. Ele até tentou outra profissão quando iniciou a faculdade de Engenharia Elétrica, mas a tradição familiar foi mais forte e hoje ele produz mais de 40 tipos de doces. Entre eles a paçoca, que no passado atraía uma família inteira em volta do pilão e, hoje, já é o doce mais famoso de Guaratinguetá, graças ao Seu Agostinho que, além de cozinhar é um grande contador de “causos”.

Edição de Inverno da Feira Viva

Na edição de Inverno da Feira Viva, o seu Agostinho vai trazer um pouco da tradição da sua doceria, fundada em 1918 pela avó, e muitas delícias. Ah, prepare-se para ouvir várias histórias e aprender tudo – ou quase tudo – sobre paçoca. Ele adora falar sobre o assunto. Segundo Seu Agostinho, por exemplo, o ato de pilar adianta um processo que seria feito pela mastigação e pelo estômago, melhorando a digestão, além de despertar o sabor. Quando se pila o alimento, as propriedades gustativas são melhor apreciadas pelo palato, fazendo com que a gente saboreie com mais intensidade o alimento.

E você também vai poder levar para casa as paçocas do Seu Agostinho. Além da doce, tem de carne seca, peixe e bacalhau.

Saiba mais sobre edição de Inverno

 


Tags:

Agostinho da Paçoca, Edição de Inverno, Feira Livre
[social_warfare]